A Luneta Mágica, de Joaquim Manuel de Macedo – Resenha de Livro

212 páginas
L&PM Pocket

A-Luneta-MagicaSimplício, personagem possuidor uma severa miopia fisica, extende-se sua deficiência a até sua moralidade, onde incapaz de julgar por si só a índole e o caratismo da sociedade que vive, recebe um presente mágico: uma lueta que dá a capacidade de dar-lhe a visão do mundo que o acerca. Alertado sobre os efeitos ao uso dela, sendo permitido olhar através dela por somente até 3 minutos, Simplício rende-se aos encantos e horrores que a luneta traz. As visões que a luneta traz trazem as mudanças necessárias e dolorosas a quem se escourava em sua deficiência física como condição de ser igualmente míope a enxergar o que fosse a realidade das pessoas que conhece e ama.
Apesar da fábula moral exercer seu papel de mostrar o que a dependência em defeitos traz a infelicidade da visão equivocada do mundo, revela também que mesmo o insólito seja algo temeroso, é ele que faz com que certas lições sejam impostas a pessoas como Simplício, exemplificar oque não deve ser feito sob o efeito de um objeto distorcedor da realidade e que principalmente certas lições são só entendidas de fato quando vivencia-se os exemplos de cada lição, mesmo de forma dolorosae custosa à vida dele.
A leitura foi surpreendente em se ter contato com uma literatura antiga e em um gênero que atualmente passa por admições cada vez mais pobres em escrita e ideia, a Literatura Fantástica. Sendo escrito em 1869, o foco na abordagem é típica da época, mas cuja ideia e trama envolventee é rara de se encontrar nas leituras de hoje em dia. A abordagem retratando a moralidade da sociedade da época não é tão distoante com a que convivemos hoje em dia. É digno de uma atenção para refletir-se sobre problemas que até hoje persiste. Os males e a dificuldade de discernir-los, além de se adquirir um bom senso que oriente-nos para encaminharmos para um caminahr seguro e justo, espantando a cegueira moral que reina por todo lado que conversemos e convivamos com mais pessoas.
As pessoas em suas cegueiras morais atendem apenas para os poucos sentidos que possuem. Apenas exnergam o que querem e respondem da maneira que queiram. Mas que não atentam-se ao bom senso de querer enxergar por trás da obscuridade das razões trazidas por qualquer um.

Anúncios

One thought on “A Luneta Mágica, de Joaquim Manuel de Macedo – Resenha de Livro

  1. Marcinha querida, li esse livro qdo tinha 18 aninhos, ou seja, há 40 anos atrás. O interessante é que apesar de tanto tempo parece que o li recentemente pois, em minha memória, estão gravadas muitas passagens da história. Desnecessário dizer que foi uma leitura marcante.

    Acho que a cegueira de Simplício que não conseguia ver quem eram realmente as pessoas do seu convívio serve de alerta para os dias de hoje. Se olharmos a nossa volta veremos que estamos cercados por pessoas que nem sempre são, o que aparentam ser.

    Amei essa leitura e fiquei feliz quando, ao acessar o face dei de cara com sua resenha.

    bj da angel 😉

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s