Fatos de quem é leitor de livros e já passou por isso

Fatos de quem é leitor de livros e já passou por issoDizem que o brasileiro lê bastante. Não sei aonde e nem o que lêem, mas só uma volta por aí ou mesmo em um ajuntamento de pessoas, parece mentira ou papo que a mídia quer empurrar para que acreditemos nisso.
E quando encontra finalmente algum de livro em punho ou mesmo lendo, algumas vezes não são livros que é da mesmo tipo de sua preferência. Morando em uma metrópole, observando as pessoas que lêem no transporte público é possível observar que aqueles que são mais populares ou os campeões de vendas. Nunca vi um leitor de FC ou mesmo de romance policial de autor clássico. Um dia verei um.
Sendo leitora há tanto tempo, é inevitável ouvir ou mesmo passar por situações que somente um leitor de livro sabe do que vou citar.

1) Uma pessoa menciona que lê e quando diz quais livros leu, é somente aqueles ditos “da modinha”.
Dependendo do grau de socialização (se é somente passageiro), ou mesmo da paciência e tempo disponíveis, tem que pensar se vale a pena ou não dizer que os livros que essa pessoa não são boa literatura. Alguns somente levanto o polegar e faço a expressão de aprovação. E desapareço em seguida.
2) Quando menciona algum detalhe da vida do autor ou trecho que gostou, a outra pessoa diz “Você tem certeza?” dando a clara impressão que você está dizendo tolices. (Aliás, essa é uma frase que faz meu sangue ferver).
3) Quando você diz alguma inverdade do livro que leu, a pessoa afirma como se fosse verdade. Ou seja, ela nem contesta o que você diz, só para ser educada ou papear à toa.
Nisso me divirto pois vejo o quanto essas pessoas querem se socializar desesperadamente como leitoras intelectualizadas.
4) Conversa com uma pessoa que diz que leu autores ditos “intelectuais”, e percebe que ela só diz frases com informações feitas, facilmente encontradas na wikipedia ou no Google.
5) Apesar de ter lido o tal autor “intelectual”, mal sabe opinar a respeito, nem sabendo dizer se gostou ou não.
Ou seja, leu por modinha.
6) Em determinados gêneros, e de literatura nacional, quando vc nunca ouviu falar de determinado autor, ser tratado com um ignorante, principalmente se estiver no FB.
Quando vi em um grupo de discussão do FB a malhação selvagem sobre um determinado autor de literatura de Fantasia, sobrou alfinetada até quem estava chegando no momento e nem sabia o que ocorria. Fui ler depois algo desse autor. Não achei grande coisa e que nem merecia tamanha comoção por ele. Esquecem-se que determinados autores ganham fama por receber um investimento pela editora, que paga para que ele seja mencionado em qualquer lugar nas redes sociais, comprando leitores com livros grátis e sorteios fajutos.
7) Em determinados gêneros, se vc não leu TODOS os autores conhecidos, você não é um leitor do gênero e é somente um mero leitor paraquedista.
Senti isso dentre os leitores de FC. Li os autores clássicos mas não tudo. Tem certas obras do gênero que são chatíssimas e algumas esqueci simplesmente por ter lido coisas melhores. Qualidade nas histórias ganham a minha atenção, não tem jeito. E outra tendência de leitores de FC é irem pro tecnicismo puro de máquinas, tecnologia científica, etc., em detrimento de um enredo de história que cative a leitura. Quando leio FC, ou outro gênero, quero me entreter e não ler um manual de instruções de montagem de aviões
8) Quando perguntam se leu o livro do ator ou comediante e tals, e com a negativa, ser taxado de “defasado”.
Ou ouvir “Como ainda não leu?”.
(Essa frase testa minha paciência como não imaginam…)
9) E mesmo que tenha lido um trecho do famigerado livro do maldito famoso, quando menciona que não foi grande coisa, ser chamado de invejoso ou taxado de crítico demais.
(Aaaahhhhh!!! – espumando de raiva)
10) “Esse livro é bom?”.
Essa frase é uma pegadinha, cuidado. Quando me perguntam, demoro alguns segundos, dando um revirada mental em que penso algo para não soar algo que ofenda a pessoa. Mas devolvo a pergunta com outra, mencionando o tema principal do tal livro. Se a pessoa responder a própria pergunta, te livrou do purgatório dos leitores.
11) “Esse autor é bom?”.
Pergunta capsciosa e perigosíssima, principalmente com relação a autores que versam em mais de um gênero. Gosto de mencionar que conheço o autor em determinado gênero e que nesse, ele é bom. Educadamente, se não conheço as obras deste mesmo autor em outro gênero, digo que não li nada que prove que é bom também nesse outro gênero.
12) “Como não leu ainda?”.
Essa é uma pergunta sem sentido. Com tantos milhões de livros para se ler, é natural que ainda não se leu justamente o que foi indagado. Algumas vezes, não leia-se tudo do mesmo autor. Só faço isso se o autor me cativou de fato. E mesmo lendo tantos títulos do mesmo, ainda correr o risco de ouvir a mesma infame pergunta.
13) Amigo afobadinho que te alucina com perguntas.
Isso ocorre principalmente com colegas de profissão, que por algum motivo vem te perguntar uma lista de coisas. Quando começa a se pensar algo, ele sai fora e diz que vai perguntar para outro amigo. (Aaaahhh). Da próxima, indico o Google.
14) Em determinados gêneros, a pessoa não gostar do que você gosta e ainda dizer que o outro autor é melhor.
Isso me aconteceu quando conversava a respeito de Literatura Policial. Ouvi o disparate de que Sherlock é inferior e que Agatha Christie é muuuuuito melhor. Sinceramente, um leitor de verdade do gênero não falaria tal infâmia. Li Agatha e não gosto muito do estilo popularesco dela. Mas pelo menos li, diferentemente que diz uma infâmia de comparação como essa. Quem gosta de Agatha, ama de paixão. Mas quem gosta de Sherlock, ama mais ainda.
15) Conhecer certos escritores só por causa das redes sociais mas que não são grande coisa como escritores.
16) Não entender como certos autores ficarem tão obscuros.
Conheço autores nacionais ótimos mas que ainda não alcançaram o grande público só por uma questão de tempo.
17) Quando gosta de uma temática, querer ler tudo que se realaciona ao tema.
Faço isso com a Literatura Policial, que tem surgido muitos livros e autores. Além de livros, também vejo séries e filmes do gênero.
18) Quando se gosta de um autor, querer ler tudo dele, mesmo os de gênero que não aprecia tanto.
Tive a minha fase de Phillip K. Dick, Ray Bradbury, Stephen King, José Eduardo Agualusa, Borges, etc. Agora estou na fase do Mia Couto. (Maravilhoso!)
19) Quando menciona que leu clássicos, te acharem um suprassumo da intelectualidade. Ou quando um diz que leu um clássico, já se achar um intelectual.
Outro dia, quando estudava poesia, citei que estava lendo Augusto dos Anjos, Vinícius de Moraes e Maiakovsky, fui tratada como uma intelectual. (Pfff… que tolice. Como se ler todos esses autores me desse um passe imaginário para a alta literatura)
20) Quando menciona que leu determinado autor, a outa pessoa já logo tascar pedra nela. E ela não gostar por causa de somente UM livro do autor e já condenou-o por ser ruim.
Já ouvi isso do Kafka. Gosto dele mas tem um que custo a terminar, que é “O Castelo”.
21) As pessoas não entendem quando menciona que leu o livro mais de uma vez.
Gosto de reler determinados livros pois de tempos em tempos sua mente evolui e sua visão pessoal a respeito de certos aspectos da vida muda, amadurecendo. É sempre bom reler sob novo olhar e captar novas mensagens a cada releitura.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s